Mapas de Portugal

Viagem de Pedro Álvares Cabral – Parte I

Projecto: Mapas de Portugal

Técnica: Trabalho de Astrologia Mundana

“Em hum Domingo outo de Março daquelle anno, estando tudo prestes, sahimos a duas milhas de distancia de Lisboa, a hum lugar chamado Rastello, onde está o Convento de Belém, e ahi foi ElRey entregar pessoalmente ao Capitão mór o Estandarte Real para a dita Armada. No dia seguinte levantámos ancoras com vento prospero”

                                                                     Relação do Piloto Anónimo

Este relato de um dos pilotos da frota de Pedro Álvares Cabral fornece-nos a mais precisa descrição sobre a partida da armada de 1500. Vamos analisar as condições em que foi realizada esta viagem.

O Regresso de Vasco da Gama

A 9 de Julho de 1499, entrou no estuário do Tejo a caravela Bérrio, sob o comando de Nicolau Coelho, com a notícia da descoberta do caminho marítimo para a Índia. A cidade de Lisboa encheu-se de festas e os sinos replicaram todo o dia. D. Manuel I enviou uma carta aos seus sogros, os Reis de Castela e de Aragão, em que dizia:

 “acharam e descobriram a Índia e outros reinos a ela comarcãos … acharam grandes cidades e de grandes edifícios e ricos e de grande povoação, nas quaes se faz todo o trauto de especiaria e pedraria … trouveram logo … canela, cravo, gengibre, noz moscada, e outros modos de especiaria … e muita pedraria fina de todas as sortes, a saber: rubis e outros; e ainda acharam terra, em que ha minas d’ouro …”

Não temos infelizmente nenhuma fonte segura que nos permita construir o horóscopo de D. Manuel I, mas podemos através das técnicas da Astrologia Mundana analisar o sentimento do Reino com a chegada da Bérrio. Se observarmos, no horóscopo seguinte, o mapa do equinócio da primavera de 1499, podemos ver três planetas na Casa V (a Lua, o Mercúrio e o Sol) a indicar o grande interesse do Reino pelo filho de D. Manuel I. De facto, no ano anterior, a 24 de Agosto de 1498, tinha nascido em Saragoça, D. Miguel da Paz de Trastâmara e Avis, o filho de D. Manuel I e D. Isabel de Castela. Sendo a mãe a Princesa das Astúrias, ou seja, a presumível herdeira da coroa de Castela e Aragão, D. Miguel era príncipe de Portugal, de Castela e de Aragão, o herdeiro de todos os reinos da Península Ibérica. Infelizmente, D. Isabel morreu durante o parto, e D. Miguel, cuja saúde era bastante débil, viria a morrer apenas com dois anos de idade, a 19 de Julho de 1500. Depois da partida da armada de Pedro Álvares Cabral.

Durante o ano de 1499, D. Manuel I deve ter-se sentido especialmente favorecido pelos céus, como indica a posição do Sol em Carneiro: tinha recebido a coroa de Portugal, em condições excepcionais; tinha casado com a herdeira da coroa de Castela; e, que embora ela tivesse morrido durante o parto, uma situação infelizmente bastante comum no século XV, tinha-lhe dado um filho que seria o futuro Rei de toda a Península Ibérica. E agora, Nicolau Coelho chegava a Lisboa com a notícia de que estava aberto a caminho marítimo para a Índia. Deve ter sido um ano fantástico.

Mapa Astrológico

 

As relações internacionais, representadas por Saturno na Casa VII, não eram as melhores em 1499. Saturno encontra-se fraco em Touro, a indicar que as demoras e os atrasos devem ter sido notórios. Interessante é ver que Júpiter, o representante do filho de D. Manuel I, está na sua Casa XII, a das limitações e dos bastidores. D. Miguel durante a sua curta vida viveu sempre com os seus avós maternos, os Reis de Castela e Aragão.

A Lua, a regente da Casa IX, a das viagens marítimas, encontra-se forte mas combusta na Casa V. Como representante universal da mudança, da adaptação a novas realidades, a Lua representa o significado do regresso de Vasco da Gama. Nas próximas décadas, o “mundo conhecido” vai crescer e o conhecimento daí resultante vai atingir níveis nunca antes alcançados. A proximidade da Lua ao Sol, que se encontra a menos de um grau, indica que D. Manuel I tinha o completo controlo sobre os acontecimentos marítimos, e que estes constituíam uma importante área de actividade da sua governação. E que, mais do que a compreensão dos outros povos, como indica a Lua, o Rei pretendia impor o seu controlo sobre os territórios descobertos, numa atitude própria do Sol.

Como este horóscopo é válido para todo o ano astrológico de 1499, foi neste ambiente que D. Manuel I enviou para a Índia uma frota constituída por doze naus e navios, sob o comando de Pedro Álvares Cabral. A sua missão era mostrar a grandeza do Reino de Portugal, estabelecer a paz com os malabares e fazer o comércio.

Fim da Primeira Parte.